“Eu acho que há cineastas que não têm a coragem de não fazer filmes”

Decembro 6th, 2012 | by cineclubedecompostela |

Achegamos a entrevista que lle fixeron Martim Paradelo e Xiana Arias a Pedro Costa o pasado 16 de novembro, con ocasión da visita do cineasta á cidade para recibir o Premio Cineuropa. A versión impresa da mesma sairá publicada no vindeiro número do xornal CNT.

Pedro Costa começa a sua carreira desde uma cinefília apaixoada, desde o virtuosismo estético de O sangue, mas já desde o seu segundo filme, Casa de lava, decide colocar a sua câmara ao lado das pessoas marginais, neste caso a imigração ilegal, no que deixa evidência de como não é possível ficar impássível ante determinadas situações sem anular-se como ser humano. Ossos supõe a sua primeira aproximação à marginalidade da droga. Enquanto filma no degradado bairro das Fontainhas, com uma equipa de dúzias de pessoas, a protagonista do filme, Vanda, heroinômana real, adverte-lhe de que esta a fazer um filme falso, e insta-o a filmá-la no seu quarto, a sua vida, ele só. Assim nascem No quarto da Vanda e a posterior Juventude em marcha, dois cantos monumentais à dignidade humana. Tem-se valorizado a maneira em que Pedro Costa dignificou a pessoas como a Vanda e o Ventura nestes filmes. Nada mais falso. A Vanda e o Ventura dignificam-se a sim próprios a través do dispositivo de Costa. As personagens destes filmes são habitantes da fronteira, vítimas de um sistema que padecem dia a dia, que os enferma e os destrói, mas a câmara do cineasta, o seu enquadre monumental, o seu ritmo que é o mesmo que o da vida, impõe o máximo respeito, dá-lhes o espaço para se reivindicar humanos, sem sombra de hagiografia, sem resto de discursos panfletários insultantes. Só vida.

■ Ler entrevista completa en pdf

 

6 Responses to ““Eu acho que há cineastas que não têm a coragem de não fazer filmes””

  1. By SOBRE AS AGRESIÓNS CONTRA CURRANTES NO CINEUROPA on Dec 7, 2012

    Tiveram que pechar? Foron “obrigados” a aplicar violencia física, AGREDER a traballadores que NON querían facer folga (cos seus cerebros propios dos que ao parecer deben ser rescatados por energúmenos)? Tedes moi pouca vergoña na cara. Na cara tapada, os que deron, e descuberta, os que consentides e até enaltecedes.

  2. By Duchamp on Dec 10, 2012

    O deporte, a ciencia, ambos ríxense por unhas normas que hai que cumprir.

    A arte, pola contra, ten na súa base a insurrección contra esas normas para crear un novo mundo, unha nova arte. Calquera persoa que se adique á cultura e que nun momento no que se están segando as axudas á mesma, nun momento no que se está dilapidando calquera intento de facer cultura, nun momento no que se valora ser coma os borregos de Buñuel que entraban á igrexa sen rechistar mentras fóra caían as bombas. Calquera persoa que faga eso, non é un artista, é un borrego, un máis do rebaño.

    Parabéns ao Cineclube! Aquí todos somos artistas, non hai que levar americanas coma as de Sheldon Cooper cando ía de Efecto Doopler!

    Avanti popolo!

  3. By Pizarra on Dec 10, 2012

    http://www.youtube.com/watch?v=ZIfhiExIun8

  4. By tululo tres on Dec 10, 2012

    Mira tolai, fai falla ter o rostro de granito puro para vir por aquí a dicir semellante subnormalidade e, máis aínda, acusar de tapar aos demais cando ti utilizas o anonimato de internet para intentar botar merda por riba de alguén.

    Que Cineuropa vaia chorando polas esquinas o descenso dos cartos públicos que se lle dan e logo programe durante todo o día dunha folga xeral convocada MOITO ANTES do festival é o que é. Unha excelente mostra de fascismo cultural.

    Vai para a casa e pecha a porta. Por dentro. E préndelle lume. E non saias.

  5. By SOBRE AS AGRESIÓNS on Dec 10, 2012

    Queres probas de que o que chamades “compañeiros” agrederon físicamente traballadores rasos no Teatro Principal? Podemos preguntarlles. Ou tes medo á verdade e prefires a consigna e a barricadiña de grupo?

  6. By SOBRE AS AGRESIÓNS on Dec 10, 2012

    Poñer filmes é “fascismo”, bater na xente sen dignarse a escoitar as súas ideas cumé, que é iso? Moito “Conde Roa” e despois somos o espello cagadiño do mesmo. Vaia, vaia.

Sorry, comments for this entry are closed at this time.